Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Viajar. Ou o elogio da aventura

Para quem ainda não leu, aqui fica o texto que publiquei no blog Delito de Opinião, há algumas semanas.

 

3 (1) (1).jpg

 

Estados Unidos da América, Dezembro de 2015, 2h da madrugada. Conduzíamos rumo a Boston, na única etapa da viagem que não tinha sido planeada. Tinhamos feito cerca de dois terços de uma viagem de 900 km e a neve não dava tréguas. O ponteiro da gasolina estava a descer ainda mais que o da temperatura. Nada de preocupante, o GPS tinha a indicação dos postos de combustível. Primeiro posto - falhámos a saída. Não fazia mal, havia outro, umas dezenas de km mais à frente. Estava fechado. Com a gasolina já na reserva, o GPS não dava indicações de postos próximos. Para ajudar, a estrada tornava-se cada vez mais escura e estreita. Outros carros, nem vê-los.

 

Com o carro já a funcionar à base de fumos e boa vontade, eis que, qual oasis no meio do deserto, surge a placa com a palavra mágica. ”GAS”.

Finalmente! Parámos o carro e dirigimo-nos à funcionária da bomba, do outro lado do vidro. Sorriso nos lábios. Estávamos salvos!

— "Please, can we put some gas?"

— "No. This station is closed."

— "But we came from so far away, please let..."

— "GO AWAAAAY. I'LL CALL THE POLICE. GO AWAAAAAAAAAY. GO AWAAAAY. I'LL CALL THE POLICE. GO AWAAAAAAAAAY".

Afinal não. Não íamos pôr gasolina.

No meio do nosso desnorte, ainda tivémos a lucidez para olhar em volta. Mesmo ao virar da esquina, havia um hotel. Milagre dos milagres, uma cama, finalmente! A gasolina podia esperar pelo amanhecer...

 

IMG_5316 (2) (1).jpg

 

Viajar também é isto. Vou-me sempre lembrar do gelo a estalar sob os meus pés, ao caminhar num glaciar; da paisagem deslumbrante após uma caminhada de quase 20 quilómetros até à base do Fitz Roy; de ver uma baleia de bossa a brincar com a sua cria; ou do entusiasmo incontido de quando entrei na Euro Disney. Mas também não me vou esquecer daquela vez em que o carro quase ficou sem gasolina no meio do nada. Ou quando ficámos uma semana retidos em Londres, sem malas e em vésperas do Natal, porque um nevão fechou os aeroportos.


Viajar também é vermo-nos em situações que são maiores que nós. Viver algo diferente do que temos em casa. Não no sentido de arriscar, ou ser inconsciente. Mas de dar espaço à espontaneidade e aceitar o imprevisto.

 

IMG_8233 (1).jpg


Resorts e excursões. Tanta gente viaja com guião definido ao milímetro. Saltar de monumento em monumento. De fila em fila. Conhece-se uma cidade através de uma montra. E nunca se chega a sair do nosso pequeno mundo.

 

Eu planeio sempre o que vou ver, claro. Os monumentos, os museus, os parques. Compro bilhetes, contrato guias... Mas também adoro a sensação de me perder numa cidade. Saber o destino, sem conhecer o caminho. Andar pelos bairros, sentir o pulso do local. Pedir indicações, falar com quem lá vive.


Viajar é sair dessa nossa bolha. Só conhecemos realmente um sítio, se também o virmos através dos olhos dos outros. Mudar a nossa perspectiva, aprender.

 

O acto de viajar é efémero, mas o que trazemos quando regressamos, fica connosco para sempre.

 

1 (1) (1).jpg

 

Parque Nacional da Terra do Fogo, Argentina, Outubro de 2015. Terminámos a nossa caminhada junto a uma placa de madeira, à saída do parque. Marcava o final da Rota Panamericana - Um conjunto de estradas que liga, quase sem interrupções, o Alasca a Ushuaia.

 

“Aqui finaliza la Ruta N. 3. Buenos Aires 3.063 Km. Alaska 17.848 Km.” - Dizia, em letras amarelas gravadas na madeira.

 

IMG_5540.jpg

 

Seria só uma placa, e não lhe teria dado grande importância, se no dia anterior não nos tivéssemos sentado à mesa de Carlos Alvarez. O Carlos foi guarda florestal durante largos anos. Agora, reformado, gosta de falar desses tempos.

Enquanto nos preparava ovos mexidos e chá para o pequeno almoço, cheio de orgulho e um brilho nos olhos, contava como tinha construído aquela placa com as próprias mãos. Quando nos preparávamos para sair, veio ter connosco. “Não se esqueçam de tirar uma fotografia à minha placa” - disse com um sorriso de orelha a orelha.

 

Terminámos a nossa caminhada junto a uma placa de madeira, à saída do parque. Marcava o final da Rota Panamericana. E para nós, nunca seria uma placa qualquer. Era a placa do Carlos.

 

IMG_2632 (1) (1).jpg

 

 

Podem seguir as minhas fotos no Instagram, no Facebook ou subscrever os post por email, no fundo da página.

 

O Fotógrafo e a Raposa

IMG_5027-Pano.jpg

 

Andava eu a rever umas fotografias de Boston, que tirei em 2010, quando ao olhar para esta panorâmica, por mero acaso, reparei no que me pareceu ser um animal. Num cais. No meio do rio. Em pleno centro da cidade. 

 

- É um cão - pensei? Fiz zoom... e não, acho que não! Parece-me mesmo uma raposa, a julgar pela cauda! 

 

- O que faz uma raposa em pleno centro da cidade, no meio do rio Charles? - perguntam vocês? Pois. Também não faço ideia... 

 

Mas que tem piada, tem. Tal como o facto de uma fotografia ainda nos poder surpreender, mesmo que sete anos depois de ter sido tirada!

 

IMG_5028.jpg

IMG_5026-3.jpg

IMG_5026.jpg

 

 

Podem seguir as minhas fotos no Instagram, no Facebook ou subscrever os post por email, no fundo da página.

 

Curioso

IMG_4905.jpg

IMG_4918-Edit-Edit.jpg

 

Os esquilos estão sempre com um ar algo suspeito. Tanto podem estar apenas intrigados com a máquina fotográfica, como a planear friamente a melhor maneira de roubar a comida que uma pessoa trás no bolso... Pelo menos este esquilo, se tinha algum plano maléfico em mente, optou por não o executar...  

 

 

Podem seguir as minhas fotos no Instagram, no Facebook ou subscrever os post por email, no fundo da página.

 

Chicago

IMG_3647-Pano-Edit.jpg

 

Já tinha escrito aqui sobre Chicago, uma das cidades mais cosmopolitas, vibrantes e elegantes do mundo. A maior cidade do estado de Illinois é quase um museu a céu aberto, para qualquer amante de arquitectura. Estilos mais modernos e mais clássicos, convivem numa harmonia pouco comum. Chicago cresceu e pensou-se como poucas metrópoles. Cada edifício faz sentido onde está. Cada rua ou avenida encontra a próxima, numa lógica que nos faz pensar, só podia ser assim. Os monumentos reflectem, literalmente em alguns casos, a arquitectura que os rodeia. 

 

É uma cidade onde se respira arte e cultura. Mas também onde os parques amplos e a relação privilegiada com o lago Michigan, ajudam a que em Chicago não se sinta a sensação de quase claustrofobia, que outras cidades americanas podem dar, fruto da grande densidade de construção. Existem inúmeras visitas guiadas dedicadas à arquitectura. Desde passeios de barco pelos canais que entram pela cidade, até visitas guiadas ao interior de vários edifícios. O museu de arte de Chicago tem também uma colecção fabulosa, que quase merece a viagem só por si. Sem dúvida uma cidade que deve estar muito alto nas listas de sítios a visitar, para qualquer viajante que se preze.

 

IMG_3686.jpg

IMG_3574.jpg

IMG_3587-Pano.jpg

IMG_3606.jpg

IMG_3877.jpg

IMG_3895-Pano-Edit.jpg

IMG_3902.jpgIMG_3977.jpg

IMG_3956.jpg

IMG_3994.jpg

IMG_3478.jpg

IMG_3491.jpg

IMG_3502.jpg

IMG_3655.jpg

IMG_3436.jpg

IMG_3750.jpg

IMG_3753.jpg

IMG_3779.jpg

IMG_3792.jpg

IMG_3794.jpg

 

O mundo todo numa cidade

0 (3).jpg

 

Visitar Nova Iorque é diferente de visitar qualquer outra cidade do mundo. Claro que todas as cidades têm as suas particularidades, mas neste caso é mais que isso. Esta é uma cidade que todos já conhecemos.

 

Pelo menos numa versão idealizada, todos visitámos Nova Iorque, em inúmeros filmes e séries de televisão. Afinal, o Empire State Building é o último refúgio de King Kong, o enquadramento da ponte de Manhattan, de Era uma vez no Oeste deve ser a cena mais conhecida de um filme que quase ninguém viu, e ninguém conseguirá contar quantos casais se reconciliaram em Central Park. É a cidade onde Harry conheceu Sally, que invasores extra-terrestres destruiram dezenas de vezes, ou em que um miúdo que ficou Sozinho em Casa se perdeu.

 

E mesmo assim, Nova Iorque  consegue superar todas as expectativas. Conhecer uma cidade é andar pelas suas ruas, falar com quem lá vive, comer a sua comida. Sim, visitar todos aqueles sítios, que já vimos centenas de vezes, tem o seu lado mágico, quase surreal. Mas a cidade que nunca dorme tem uma energia muito própria, electrizante. A arquitectura, a oferta cultural e artística, a vida nas ruas, é tudo em grande. É tudo numa escala que nos faz sentir pequenos, mas ao mesmo tempo, que pertencemos ali.

 

Visitar Nova Iorque não é como visitar qualquer outra cidade do mundo. Porque Nova Iorque tem o mundo todo dentro de si.

 

IMG_5122-Edit-Edit.jpg

IMG_5182.jpg

IMG_5255.jpg

IMG_5802.jpg

IMG_5803.jpg

IMG_5773.jpg

 

IMG_5793.jpg

 

IMG_5126 (1).jpg

IMG_5421.jpg

IMG_5632.jpg

IMG_5633.jpg

IMG_5364.jpg

IMG_5396.jpg

IMG_5397.jpg

IMG_5811.jpg

IMG_5834.jpg

IMG_5310.jpg

IMG_5573.jpg

IMG_5608.jpg

IMG_5312.jpg

IMG_5888.jpg

IMG_5687.jpg

IMG_5689.jpg

IMG_5709.jpg

Untitled_Panorama1.jpg

IMG_5500.jpg

IMG_5562.jpg

IMG_5644.jpg

IMG_5653.jpg

IMG_5668.jpg

IMG_5720.jpg

A todo o GÁS!

IMG_4779.jpg

 

Cobleskill é uma daquelas pequenas cidades insuspeitas, dos filmes americanos, em que as maiores atribulações acontecem. E como num desses filmes, foi um golpe do destino que lá nos levou.

 

Tinhamos saído de carro de Chicago, passado por Detroit, e por Toronto, e agora iamos para a costa este, rumo a Boston. Das cataratas do Niagara, de onde saímos, até ao destino, são quase 900 km, e esta foi a única etapa da viagem em que não planeámos completamente. Tinhamos pensado que provavelmente não iriamos fazer tudo de uma vez só, mas não tinha ficado definido. Nem quando nos fizemos à estrada, no carro que tinhamos alugado para esta aventura. Se estivéssemos demasiado cansados, dormíamos algures a meio do caminho.

 

A cerca de dois terços da viagem, com a neve a não dar tréguas, reparámos que o ponteiro da gasolina estava a descer ainda mais que o da temperatura. Nada de preocupante, o GPS tinha a indicação dos postos de combustível. Primeiro posto, falhámos a saida. Não faz mal, havia outro, umas dezenas de km mais à frente. Estava fechado. Com a gasolina na reserva já há algum tempo, demasiado tempo, o GPS não dava indicações de postos próximos. Claro que para ajudar, a neve era soprada cada vez com mais força, a estrada parecia cada vez mais escura e estreita, e carros já nem se viam, em qualquer dos sentidos. E não sei se mencionei. Deviam ter para aí 1 ou 2 da manhã.

 

IMG_4477.jpg

IMG_4482.jpg

 

Eis que, qual oasis no meio do deserto, surge a placa "Cobleskill". Uma cidade! Estamos safos! Com o carro já a funcionar à base de fumos e boa vontade, vislumbrámos ao longe a palavra mágica "GAS".

 

Finalmente! Parámos o carro e dirigimo-nos à funcionária da bomba, do outro lado do vidro. Sorriso nos lábios. Estávamos salvos! 

 

"Please, can we put some gas?"


"No. This station is closed."

 

"But we came from so far, please let..."

 

"GO AWAAAAY. I'LL CALL THE POLICE. GO AWAAAAAAAAAY. GO AWAAAAY. I'LL CALL THE POLICE. GO AWAAAAAAAAAY".

 

Afinal ainda não. Não iamos por gasolina.

 

Mas nem tudo correu mal. Ainda tivémos a lucidez para olhar à volta. Mesmo ao virar da esquina, havia um hotel. Milagre dos milagres, uma cama, finalmente! 

 

IMG_4766.jpg

IMG_4773.jpg

 

No dia a seguir, já descansados, e com o posto de gasolina aberto, entrámos no carro. Finalmente podiamos abastecer.

 

Volta à chave, na ignição. Já não pegava. Não faz mal. O hotel ficava num alto, e para descer a gravidade serve. E... abastecemos o carro!

 

IMG_4784.jpg

IMG_4792.jpg

Rumo a Boston!

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.