Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quem espera nem sempre alcança

A estrada até Piodão não passa onde se quis construir, mas onde o serpentear da serra deixou. São curvas e contra-curvas, sempre com uma vista deslubrante. Enquanto descia até ao fundo do vale, reparei uma zona da estrada que enquadrava a pequena aldeia na perfeição. Em primeiro plano a estrada, lá mais em baixo fazia uma espécie de "S". Fiquei logo com ideias.

 

IMG_8710.jpg

 

 

Giro, giro, era se conseguisse apanhar o rasto das luzes de um carro, a marcar aquele "S" da estrada, com uma longa exposição - pensei.

 

No dia seguinte, depois de jantar, conduzi até ao "miradouro" que tinha escolhido. Esperei.

 

Esperei. 

 

Esperei mais um pouco. 

 

O meu plano tinha uma pequena falha, aparentemente. A estrada tem pouco movimento. Sobretudo à noite, é raro passar um carro. Esperei quase uma hora... e finalmente ouvi o som de rodas no alcatrão. 

 

Um carro passou por mim... Não sem antes os ocupantes me lançarem um olhar meio incrédulo. 

 

IMG_8701.jpg

 

Só que entretanto, eu já tinha mudado o tripé para outro sítio, um pouco mais acima na estrada. Hesitei em voltar atrás, mas não queria perder a oportunidade. O enquadramento ali não era tão bom... Mas já tão tinha tempo para emendar. 

 

Esperei mais um pouco... As árvores não me deixavam ver o percurso do carro, por isso guiei-me pelo ouvido... 

 

Click. 

 

Falhei o timing! Só apanhei o rasto dos faróis já a meio da estrada. 

 

IMG_8702.jpg

  

Podem seguir as minhas fotos no Instagram, no Facebook ou subscrever os post por email, no fundo da página.

 

Chiesa di Sant'Antonio dei Portoghesi em Roma

601E3CD9-4418-4955-951D-DAF24C2098F3.jpeg

 

Numa rua insuspeita de Roma, a caminho do Castelo de Sant'Angelo, passei por uma igreja. Nada de extraordinário, em Itália quase há uma igreja a cada esquina. Mas assim pelo canto do olho, vi qualquer coisa que me chamou à atenção. Voltei para trás e li...


"Chiesa di Sant'Antonio dei Portoghesi" - dizia uma placa.

 

IMG_1014.jpg

 

Lá no alto da fachada, o brasão de armas português. Um elemento decorativo que se repete várias vezes no interior, ricamente decorado e cuja jóia é um orgão que impressiona pela sua dimensão e beleza. Curioso, investiguei um pouco mais sobre esta minha descoberta, que é afinal a igreja nacional da comunidade portuguesa em Roma.

 

Foi construída no século XVII, num local onde já existia um albergue para os peregrinos portugueses que se deslocavam à cidade. Esse albergue ainda funciona, explorado por privados, mas reserva sempre alguns quartos para estudantes e investigadores lusos. A igreja está inserida no Instituto Português de Roma, gerido pelo Estado Português, e onde se organizam exposições, conferências e se leccionam aulas de português para estrangeiros.

 

IMG_0998.jpg

IMG_1001.jpg

 

E o orgão de que falei? Foi reconstituido em 2008, para substituir um instrumento idêntico que tinha sido roubado durante as invasões francesas. Com 2500 tubos é um dos melhores orgãos do mundo. Todas as semanas são organizados concertos. Este ano, por ocasião das celebrações das aparicões de Fátima e da canonização de Francisco e Jacinta, realizaram-se vários espectáculos comemorativos. De homenagem a Portugal, a Fátima e até ao Fado.

 

Uma jóia portuguesa em Roma, que encontrei completamente por acaso. E a prova que conhecer uma cidade é bem mais que seguir os roteiros dos guias turisticos.

 

IMG_1004.jpg

 

A "igreja de Santo António dos Portugueses" fica na Via dei Portoghesi, na zona de Campo Marzio, apenas a 5 minutos a pé da Piazza Navona (ver mapa).

 

  

Podem seguir as minhas fotos no Instagram, no Facebook ou subscrever os post por email, no fundo da página.

 

Conhecer Conimbriga

iPad - Foto 2017-10-02 00_16_06.jpeg

 

Sempre adorei as aulas de história. Sobretudo fascinavam-me os impérios Grego e Romano e como muitas das bases da nossa civilização foram criadas nessa época. Dois impérios tão evoluídos, que depois da sua queda foram necessários séculos para recuperar muitos dos princípios e avanços tecnológicos e ideológicos que ficaram esquecidos durante a idade média.

 

Lembro-me de ver uma ou outra referência a Conimbriga nos livros de história. Que algures no centro do país havia um conjunto de ruínas com alguma importância. Só que quando se fala de ruínas romanas em Portugal e no mundo, raramente se vêm fotos desta antiga povoação. Mesmo o templo de Diana em Évora, ganha-lhe sempre em protagonismo. Por isso sempre achei que não devia ter muito para ver. 

 

No entanto, a curiosidade estava lá. Tanto assim, que quando soube que iria uns dias a Pinhel, decidi fazer um pequeno desvio para visitar este Monumento Nacional, que fica muito perto da cidade de Condeixa-a-Nova, e a poucos quilometros de Coimbra.

 

O complexo museológico tem parque de estacionamento e a entrada faz-se por uma zona moderna, de um branco e leveza futuristas, com ecrãs que fazem uma antevisão da visita, que serve também de bilheteira.

 

IMG_0421.jpg

 

Existem dois espaços dinstintos a visitar. A sugestão é que se comece pelo museu - pequeno e simples, mas que permite ver as ruínas com outros olhos.

 

Ao longo de uma mão cheia de salas, são apresentados vários artefactos, estátuas e mosaicos, e é feita a introdução à história de Conimbriga, desde a sua fundação até às várias escavações que se foram realizando desde 1898.

 

IMG_0364.jpg

IMG_0365.jpg

IMG_0366.jpg

IMG_0372.jpg

IMG_0384.jpg

IMG_0393-Edit.jpg

IMG_0397.jpg

IMG_0402.jpg

IMG_0398.jpg

 

De tudo isto, o que resta para observar deste importante centro do Império Romano? Bem mais do que eu supunha!

 

Ao passar a entrada das zona das ruínas, foi impossível não ficar impressionado com o enorme muro que se erguia à minha frente. Não era uma muralha, ao contrário do que pensei, mas o que resta do aqueduto que levava água a quem aqui habitava.

 

A maior parte do percurso faz-se numa zona a céu aberto, em que se anda pelo meio das antigas casas e templos, e ainda se podem observar algumas colunas e mosaicos de padrões diversos. 

 

Um pouco mais ao fundo fica o anfiteatro e a zona onde em tempos existiu o principal templo da cidade, reconstituído numas das fotos acima. Hoje nada resta desse majestoso edifício, além de algumas bases de colunas ou pedras soltas.

 

IMG_0349.jpg

IMG_0453.jpg

IMG_0425.jpg

IMG_0450.jpg

IMG_0462.jpg

 

Por fim, o ex-libris deste espaço. Uma zona coberta onde se encontravam a casa mais nobre de Conimbriga - a Casa dos Repuxos.

 

Construída no século I e profundamente remodelada no século seguinte, este edifício residencial foi escavado em 1939 e, exceptuando uma cobertura "modernista" de arquitectura bastante duvidosa, foi alvo de uma recuperação cuidada, que valoriza o que chegou aos nossos dias (embora talvez de maneira algo teatral).

 

É possível ainda observar os mosaicos, de grande beleza e detalhe, e ver como as várias divisões da casa se arrumavam em volta de um grande pátio central, onde hoje em dia existe uma fonte de repuxos (cujo sistema funciona depois de se inserir 0,50 € numa pequena ranhura!).

 

IMG_0480.jpg

IMG_0490.jpg

IMG_0468.jpg

IMG_0472.jpg

 

Entretanto a visita chegou ao fim. Como podem ver, afinal há muito para conhecer em Conimbriga e valeu bem a pena o pequeno desvio à minha viagem. Espero que estas fotos despertem também o vosso interesse neste monumento, único no nosso país. 

 

 E sim. Coloquei os 50 cêntimos na fonte... 

 

 Informações Úteis:

 

Página Internet:

http://www.conimbriga.gov.pt/index.html

 

Horário:

Museu e Ruínas (a partir de 2 de Janeiro de 2011):
De segunda a domingo, das 10h00 às 19h00.


Bilhete:

4,50€ (bilhete normal)

 

Existe um parque de estacionamento, junto à bilheteira. Para lá chegar, recomendo que se sigam as placas que indicam "Conimbriga", ignorando as eventuais indicações do GPS. Este pode encaminhar para o centro de Condeixa-a-Velha, que ficando perto, implica uma curta caminhada por uma estrada de terra batida (já estão mesmo a ver qual foi a opção que tomei, não estão?). Pois.

 

 

Podem seguir as minhas fotos no Instagram, no Facebook ou subscrever os post por email, no fundo da página.

 

A aldeia onde o tempo parou

IMG_8951.jpg

 

A vista sobre Piodão é magnífica, como já mostrei neste post, mas de perto não tem menos encanto.

 

Arrumadas num anfiteatro natural, as casas descem pela escarpa, culminando numa praça, o centro da vida da aldeia, e onde fica a igreja e a maior parte do comércio. Esta disposição tem o efeito curioso de fazer a povoação parecer ainda mais pequena. Nenhuma rua, além da praça, oferece uma visão ampla do conjunto. Ao percorrer as ruas de Piodão, mais parece que se está a percorrer um labirinto. Até porque com apenas 70 habitantes, a agitação nas ruas não é grande.

 

Ruas essas, em que todas as casas são de pedra, apenas salpicadas pelas portas e janelas azuis. O chão, as paredes, os telhados, tudo de pedra. A notável excepção é a igreja, que se destaca de maneira quase cómica no conjunto. É que como se não bastasse ser branca, tem uma arquitectura tão curiosa, que quando mais olho para ela, mais me parece feita de massapão.

 

Embora Piodão se posso percorrer de uma ponta à outra num instante, é fácil perder a noção do tempo. São vários os pormenores e recantos que nos abrandam o passo. Afinal, não é todos os dias que se visita uma aldeia onde o tempo parece ter parado.

 

IMG_8882.jpg

IMG_8897.jpg

IMG_8521.jpg

IMG_8524.jpg

IMG_8621.jpg

IMG_8665.jpg

IMG_8596.jpg

IMG_8643.jpg

IMG_8514.jpg

IMG_8832.jpg

 

 

Podem seguir as minhas fotos no Instagram, no Facebook ou subscrever os post por email, no fundo da página.

 

 

 

Foz d'Égua

IMG_8273-Edit.jpg

 

Lembro-me quando há uns anos, não muitos, vi pela primeira vez uma fotografia com uma pequena casa de xisto, ladeada por duas pontes de pedra...... Foi como se uma ilustração de um conto de fadas tivesse ganho vida.

 

"Foz d'Égua - Arganil", dizia a legenda. Mas até duvidei que fosse mesmo em Portugal... Nunca tinha visto, nem ouvido falar... Mas era... E desde aí que fiquei com vontade de por lá passar.

 

Quando há umas semanas decidi ir dar uma volta para fora de Lisboa, foi essa imagem que primeiro me veio à memória... A casa de xisto, ladeada por duas pontes de pedra...

 

A partir de Piodão, onde cheguei ao fim da tarde, o caminho até Foz d'Égua pode ser feito a pé, numa caminhada de cerca de 5 km, ou de carro, por estradas estreitas e sinuosas, mas em bom estado. Escolhi a segunda opção. Não era uma caminhada que quisesse arriscar fazer de noite...

 

Chegando a  Foz d'Égua, existe um pequeno parte de estacionamento, mas apenas lá estava o carro de um casal que aproveitava os últimos raios de Sol, na pequena praia fluvial. A ribeira tinha pouco caudal, e a ponte suspensa estava interdita, o que diminuiu o potencial fotográfico do cenário, mas a verdade é que o sítio parece tão mágico ao vivo como naquelas primeiras fotografias que vi.

 

Espero que agora, com estas fotos, desperte em alguém a vontade de visitar Foz d'Égua.

 

IMG_8304.jpg

IMG_8251.jpg

IMG_8243.jpg

IMG_8290.jpg

IMG_8269.jpg

 

IMG_8274.jpg

IMG_8313.jpg

 

Podem seguir as minhas fotos no Instagram, no Facebook ou subscrever os post por email, no fundo da página.

 

 

 

 

O caminho até Piodão

IMG_8233.jpg

 

O caminho para Piodão faz-se por estradas com vistas deslumbrantes. Durante toda a viagem fica a impressão que o vislumbre da pequena aldeia de xisto confirma. Aqui é a natureza que dita as suas regras. As estradas não passam onde o homem quis, mas onde o serpentear da serra deixou que se construisse. E ver Piodão aninhada na encosta, feita ainda mais pequena pela enormidade da paisagem que a rodeia, confirma-o.

 

É impossível não pensar que as montanhas que protegem Piodão das inclemências do tempo, também a terão deixado muitas vezes isolada. E como deve ter sido dura a vida de quem ali se escolheu fixar, numa zona que vem sendo habitada desde o século XIII.

 

Ao longo da viagem, foram várias as vezes em que tive de parar o carro. Para fotografar, ou apenas para admirar a paisagem. Quase todas as fotos deste post foram tiradas assim. Apenas a última já foi tirada na caminhada que fiz depois do jantar, desde o hotel até à aldeia. Assim como a foto deste outro post, tirada uns minutos mais tarde.

 

O encanto de Piodão mantém-se quando se percorrem as suas ruas, ou quando se exploram os campos à sua volta. Mas essas fotos ficarão para os próximos posts, a partilhar durante as próximas semanas.

 

IMG_8225-Edit.jpg

IMG_8227.jpg

IMG_8236.jpg

IMG_8238.jpg

IMG_8354.jpg

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.