Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fitz Roy - E as Marteladas nos Pés

IMG_5319 (1).jpg

 

Continua a série dedicada à minha viagem à Argentina, em Outubro de 2015. Depois de Buenos Aires, El Calafate e o glaciar Perito Moreno, hoje continuamos em El Chaltén. O vídeo que fiz desta aventura, pode ser visto aqui.

 

Estão a ver uma figura minúscula, na parte inferior da imagem? Quase se confunde com as pequenas rochas da margem do lago congelado, mas sim, é mesmo uma pessoa.

 

Após uma subida algo penosa, a escala absolutamente esmagadora desta paisagem fez valer a pena cada arranhadela, cada rocha trepada, cada dorzinha nos pés. Subir até à base do Fitz Roy, é bem capaz de ter sido a minha experiência preferida desta viagem. E tive várias absolutamente incríveis. 

 

Mas voltando à parte da subida. A escala é esmagadora, sim senhor. Mas a escalada também foi. Para os meus pés! 

 

Ao escolher as fotos para este post, reparei que quase não tirei nada a essa parte da caminhada (praticamente só a foto seguinte). Estava, de certeza demasiado concentrado para não cair, para suportar as dores, para não torcer o pé... Se nem me lembrei de fotografar... vejam lá como foi!

 

Foi a única parte dos 30 km que caminhámos nesse dia, em que questionei a minha sanidade mental. Subir ao Fitz Roy?? Que raio me passou pela cabeça?? 

 

Não ajudou que os ténis fossem quase novos (estreados no Perito Moreno)... É uma coisa que nunca se faz; grandes caminhadas com calçado novo. Mas em minha defesa, tive uma lesão antes da viagem, e com medo de não a curar a tempo, não os pude estrear... Ou seja... DORES. Muitas, muitas dores. Os últimos quilómetros da subida então... foram mesmo um sofrimento.

 

E a descida? Imaginem a sensação de caminhar 15 km com os ténis cheios de pedras, e com alguém a martelá-los constantemente. Com uma marreta (com um martelo mesmo, não com a Miss Piggy), e conseguem perceber como foi o "passeio" 

 

E apesar de tudo... Voltava já hoje. Mesmo com pedras metafóricas nos ténis! Não há nenhuma foto, nem palavra que eu consiga escolher, que explique o quão incrível foi ver esta paisagem ao vivo. 

 

Se gostam de viajar, de caminhar, e de natureza, vão... Ponham El Chaltén no topo da lista de sítios a visitar. Esta é uma região que tem de ser vista. Sentida. Com dores nos pés e tudo!

 

Ainda estão aí? Vão lá marcar a viagem!

 

IMG_5279.jpg

 

IMG_5289-Edit.jpg

 

IMG_2759.jpg

 

gopr5031.jpg

 

gopr5034.jpg

 

IMG_5294.jpg

 

IMG_5306-Edit.jpg

 

gopr5040.jpg

 

IMG_5316.jpg

 

 

Posts anteriores:

 

Buenos Aires - A Cidade

Buenos Aires - Ao Ritmo do Tango

Buenos Aires - Arte Urbana

Buenos Aires - Cultura

Buenos Aires - Caminito

Buenos Aires - La Bombonera

Buenos Aires - Jardim Japonês

 

El Calafate - A Cidade

El Calafate - Bicicletas e o Bar de Gelo

 

Glaciar Perito Moreno - Começa a Aventura

Glaciar Perito Moreno - A Caminhada no Glaciar

Glaciar Perito Moreno - O Miradouro

 

El Chaltén - A Cidade

El Chaltén - A Cascata Chorrillo del Salto

El Chaltén - Os Miradouros e a Ex-Objectiva

El Chaltén - Fitz Roy, Um Início Tranquilo

 

 

Podem seguir as minhas fotos no Instagram, no Facebook ou subscrever os post por email, no fundo da página.

6 comentários

Comentar post

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.