Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A arrogância de quem nos governa

Este blog é um escape, para mim que escrevo e provavelmente para muitos que o lêem. E por isso sempre me abstive de fazer aqui considerações a temas mais sensíveis, ou falar daquilo que me incomoda no "mundo real".

 

Hoje, depois das últimas notícias sobre os acontecimentos deste fim de semana, leio as reacções dos nossos governantes e é muito difícil não sentir revolta.

 

Depois das tragédias do Verão, o cenário repetiu-se. Situações extraordinárias acontecem, é certo. Mas é obrigação de quem nos governa elevar-se à altura das mesmas. Ou, no mínimo, ter a capacidade de perceber o que correu mal e deitar mãos à obra para que isto não se volte a repetir.

 

Nada disso tem acontecido. Pelo contrário, a reacção vem cheia de arrogância e inacreditável insensibilidade. "É tudo normal". "São coisas que acontecem"...

 

"As comunidades têm de se tornar mais resilientes às catástrofes" 

 

"Seria mais fácil (...) ir-me embora e ter as férias que não tive" - afirma a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa.

 

Ou ainda,

 

É “um bocado infantil” demitir a ministra. 

 

Dias negros "seguramente vão repetir-se" 

 

"Essa obsessão de que falhou alguma coisa não faz sentido. ” - diz António Costa.

 

E assim vai o nosso Governo. Não há responsáveis, nem responsabilidade. Não há sequer sensibilidade e compreensão para quem perdeu tudo, ou para quem arrisca a vida no terreno, lutando contra o fogo mas também contra a falta de meios e de coordenação. É imperdoável que se digam estas coisas, sempre de sorriso nos lábios, sem nunca ser capaz de pedir desculpa às vítimas, pelas falhas de que o governo é o último responsável.

 

Que a gestão desta tragédia tem sido incompetente, todos já tinham percebido, mesmo antes do relatório arrasador divulgado a semana passada, em que nenhuma entidade se livrou de um atestado de incompetência.

 

Pior que a incapacidade em gerir toda esta situação, é a arrogância de António Costa, ao achar que não tem prestar contas ao povo que foi nomeado para proteger.

 

No meio da desgraça resta-me expressar a minha admiração por aqueles que, tendo voz, ou capacidade de agir no terreno, não abdicam de lutar no limite das suas forças.

 

5 comentários

Comentar post

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.